Brasil Fantástico: Escrevendo “O padre, o doutor e os diabos que os carregaram”, Antonio Luiz M. C. Costa
outubro 8, 2013
Dragões: Escrevendo “Salve Jorge”, André S. Silva
outubro 10, 2013

Dragões: Escrevendo "A Dama das Ameixas", Karen Alvares

Dessa vez, ele tocou seu rosto, delicadamente, e Eleonora estremeceu, mas não de frio. O calor em sua garganta era forte. Ela engoliu em seco e recuou alguns passos.

 

Aquilo pareceu magoá-lo.

 

– Quem é você, Dama das Ameixas?

 

Eles apenas se entreolharam, olhos nos olhos, antes de ela responder com a voz trêmula.

 

– Esteja aqui amanhã à noite. Por favor.

 

Antes que ele percebesse, ela já tinha sumido. A ameixa continuava na sua mão esquerda, gelada.

 

Só restava agora um dia.

dragoes-vinhetas_0006_karen

“A Dama das Ameixas” foi um conto escrito especialmente para a submissão de Dragões, da Draco. Não que eu imaginasse que iria entrar (ah, não imaginava mesmo!), mas quando vi aquela proposta, falando de dragões (e quem é que não acha esses seres incríveis, hein?), soube que precisava escrever algo, mesmo que não desse em nada.

Essa foi uma das histórias que escrevi mais depressa em comparação com tudo que já fiz. Talvez tenha sido uma das poucas visitas que recebi da tal da musa da inspiração (porque tenho certeza que escrever é 1% inspiração e 99% trabalho duro). Mas dessa vez a porcentagem foi outra, com mais inspiração na receita.

Foi uma ideia que me veio muito depressa. Eu sabia sobre o que queria falar, sabia quem eram os personagens, sabia toda a história de Eleonora. Há mais histórias sobre esse universo na minha cabeça, como acho que devem ser as histórias de fantasia: a meu ver, quando você cria um mundo fantástico, tem que conhecê-lo muito bem, mesmo que não conte tudo para o leitor. Se fosse para escolher gêneros, eu diria que trabalho mais com ficção e suspense, mas dessa vez a fantasia veio com força total.

Escrevi “A Dama das Ameixas” de uma vez só, acho que foi em um dia mesmo ou em poucos dias, tanto que, quando o enviei para a Melissa de Sá e outra amiga, Nívia, que sempre revisam minhas histórias, eu disse a elas que tinha praticamente “parido” o conto, tanto que ele “nasceu” sem nome, como os bebês, e o mais difícil foi nomeá-lo depois de pronto. Acho que isso me faz mãe de um dragão, certo?

Esse conto me fez muito feliz por ter sido minha porta de entrada na Draco, ainda mais em uma antologia como Dragões, tão especial, concorrida e com tantos autores talentosos. Mas, além disso, é uma história que gosto de olhar de vez em quando: ela mostra um pouco do que eu era em uma época bastante diferente da minha vida e reflete algo de mim que se perdeu, assim como aconteceu com Eleonora.

Você pode baixar o conto em formato e-book na sua loja preferida, acesse a hotpage: http://editoradraco.com/2013/01/02/dragoes-a-dama-das-ameixas-karen-alvares/

Quer ler esse e outros contos da coletânea Dragões? Acesse: editoradraco.com/2012/11/29/dragoes/ e garanta o seu exemplar!

0 Comments

  1. Karen Alvares disse:

    Essas minhas revisoras são muito corujas! *_*
    Obrigada, minhas lindonas Mel e Nik! 😀
    E sim, tem mais coisa desse mundo na minha cabeça. Tem mais algumas histórias que dariam outros contos. Talvez um dia eu volte nisso. =)

  2. Nivia Fernandes disse:

    É sempre um deleite corrigir textos da Karen! Esse em especial foi tão criativo e sensível, nunca imaginei que ela fosse escrever um romance quando o tema girava em torno de dragões. Mas o conto saiu lindo, totalmente visceral desde o primeiro momento.

    Parabéns novamente pelo conto maravilhoso, que vou divulgar sempre que puder!

    Beijos!

  3. Melissa de Sá disse:

    Então, esse é o meu conto favorito da Karen. Quando li a primeira versão (ela é uma querida por me deixar revisar seus contos e mais ainda por me mencionar no post :)), quase caí pra trás na cadeira. Foi isso e depois ficar com o olho cheio de água. Quando li a versão oficial, chorei. Verdade, nem tenho vergonha de admitir que sou chorona.

    É um conto bem construído e muito sensível, daqueles difícil de tirar da cabeça depois. Karen, você devia escrever mais fantasia SIM e que história é essa que esse mundo tem mais coisa? Eu quero mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *