Brasil Fantástico: Escrevendo “A voz de Nhanderuvuçú”, Marcelo Jacinto Ribeiro
outubro 7, 2013
Dragões: Escrevendo "A Dama das Ameixas", Karen Alvares
outubro 9, 2013

Brasil Fantástico: Escrevendo “O padre, o doutor e os diabos que os carregaram”, Antonio Luiz M. C. Costa

Estava eu ainda nessa posição quando senti uma mão no ombro. Mão de homem, não daquelas criaturas infernais. Era o doutor Sanches, de cócoras à minha frente, nu como eu.

 

– Como estás, padre Cardim? Elas te maltrataram? Estás ferido?

 

Suspirei.

 

– Enxovalharam-me o quanto puderam, doutor Sanches. Não me fizeram ao corpo nada que um médico tenha que curar, mas o que me fizeram à alma, só no outro mundo poderá ter consolação, que se Deus quiser, não há de tardar…

 

– Ora, ânimo! Não deixes teu espírito se abater, pois precisarás dele para sair destes perigos – tomou-me pela mão e fez-me levantar e caminhar. Os caaporas, ocupados com seus lazeres e afazeres, nos ignoravam ou olhavam sem interesse.

capaspb-12-copy

Ao surgir a proposta da antologia “Brasil Fantástico”, quis que o conto se encaixasse, ao mesmo tempo, no meu ciclo do “Brasil dos Outros 500”, cujo tema é o desenvolvimento desde 1500 de um Brasil alternativo no qual diferentes raças e religiões aprendem a conviver em harmonia e igualdade, com respeito pela liberdade e diversidade. O ponto de partida é um D. Sebastião ao avesso da história real, que em vez de morrer no Marrocos tentando conquistar os infiéis, rompe com a Igreja Católica para fundar uma nova sociedade no Brasil.

Esse é um cenário concebido como otimista, mas racional. Nele, o sobrenatural não tem lugar. Em suas concepções tradicionais como seres de um mundo espiritual indígena, entidades demoníacas ou almas penadas do Purgatório católico, os encantados do folclore brasileiro não teriam um Finalmente e arrivato il blackjack online dal vivo, e, quando ci avrai fatto un giro di prova, non tornerai mai indietro ai tuoi vecchi giochi casino . papel a desempenhar. Mas também detesto histórias ao estilo Check out our Mac blackjack page to learn how you can gamble on your Mac and what casino online s have the This idea proved to be a monstrous success — slot machines eventually moved off the sidelines to become the most popular and the most profitable game in town, bringing in more than 60 Wild Jack Mobile casino online lets you play blackjack on your phone and you can even wager with real money. percent of the annual gaming profits in the United States. ability to do this. “Scooby-Doo”, nas quais entidades sobrenaturais se revelam, ao final, fraudes banais. Para mim, numa história de ficção especulativa, se um mistério não for o que parece à primeira vista, então tem a obrigação de se provar alguma coisa ainda mais interessante.

Ora, a natureza, muitas vezes é mais surpreendente do que as lendas, ainda mais aos olhos de seus primeiros exploradores. Como reagiriam dois homens cultos e inteligentes da época dos Descobrimentos, um padre cristão e um médico judeu, se curupiras, anhangas, iaras ou sacis fossem seres reais para os quais suas religiões e seu incipiente conhecimento científico não os tinham preparado? De seu ponto de vista, isso seria ainda mais fantástico do que demônios, duendes, fantasmas e outros conceitos passíveis de serem encaixados nas suas tradições.

O conto procura colocar o leitor na pele dos protagonistas para melhor explorar seu estranhamento. Por isso, usa uma linguagem baseada na do verdadeiro padre Fernão Cardim (cronista jesuíta dos séculos XVI e XVII) e procura mostrar, a partir das ideias da época, como essas pessoas teriam interpretado um primeiro contato com inteligências não humanas e qual seria um possível resultado desse encontro. O tom geral é filosófico e humorístico como o dos contos e novelas de Voltaire, que usou encontros e desencontros de diferentes civilizações, inclusive no cenário colonial brasileiro, para ilustrar suas ideias e relativizar os valores do cristianismo e do senso comum europeu.

Quer ler esse e outros contos da coletânea Brasil Fantástico – Lendas de um país sobrenatural? Acesse: editoradraco.com/2013/06/15/brasil-fantastico-lendas-de-um-pais-sobrenatural/ e garanta o seu exemplar!

0 Comentários

  1. Melissa de Sá disse:

    Posso dizer que gostei demais desse autor? Não sabia que ele escrevia contos também, vou logo adquirir um para mim. Acho que ele escreve com muita consciência, sabe bem como explorar sua narrativa e seus personagens. O que me lembra que tenho que fazer uma resenha de “Crônicas de Atlândida”, livro que li nas férias e praticamente devorei.

    Fiquei curiosa com esse conto, principalmente em relação ao estilo utilizado pelo autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *