Dragões: Escrevendo "A Dama das Ameixas", Karen Alvares
outubro 9, 2013
Dragões: Escrevendo “Coronel Mostarda”, Flávio Medeiros Jr.
outubro 11, 2013

Dragões: Escrevendo “Salve Jorge”, André S. Silva

Assim, Thomas não percebeu o exato instante em que o cabo de Ascalon deslizou por entre seus dedos, tampouco o movimento de seus braços enquanto erguia a espada, desvencilhando-a do trapo que a envolvia. Então, a lâmina desceu com violência, revelando a textura mortal da carne e o cheiro de sangue. Houve um urro ensurdecedor, e Thomas sentiu ser arrancado do chão pela temível sombra, subindo cada vez mais, até que o telhado da igreja despedaçou-se acima dele, e a noite do Rio de Janeiro se escancarou numa tormenta de luzes, vidro e concreto.

 

Foi uma questão de segundos, até que o arrebatamento cessou em baque seco e doloroso. Thomas cuspiu um punhado de capim, antes mesmo que a dor profunda em seus músculos e ossos lhe informasse que ainda estava vivo. Abrindo os olhos, deparou-se com um cenário tranquilo e escuro. Estava estendido sobre um gramado, e ao seu redor se espalhavam umas poucas árvores e arbustos que ele, incrédulo, logo reconheceu.

 

Estava de volta ao Campo de Santana.

dragoes-vinhetas_0000_andre-s

Quando a Draco anunciou a abertura da antologia “Dragões”, corri para o caderno e comecei a anotar todo e qualquer farrapo de ideia que vinha à cabeça sobre o tema. Sabia que seria um dos maiores lançamentos da Editora. Estava determinado a me esforçar ao máximo para conseguir uma vaga entre os escolhidos. As possibilidades eram tantas que, no fim, acabei usando um sistema de eliminação para decidir qual trama tinha mais potencial.

Assim, várias ideias passaram pela minha cabeça, indo do suspense à comédia, mas em todas havia um elemento comum que eu sabia que de uma forma ou de outra acabaria no conto: o uso de elementos clássicos da mitologia dos dragões extraídos da nossa História, e não de um universo de fantasia fictício. No fim das contas, optei pelo que de mais emblemático existe sobre o tema “dragões” quando falamos de Brasil, isto é, a fé em São Jorge como o Matador de Dragões. Assim, foi um pulo para decidir localizar a história no meu Rio de Janeiro contemporâneo, e na Igreja de São Jorge que todo ano figura nos noticiários quando chega o dia do Santo.

jorge

Até hoje, “Salve Jorge” foi um dos contos que mais gostei de escrever, não só por poder costurar as referências históricas na trama, mas em especial pela pesquisa envolvida. Foi muito divertido investigar as origens do mito de Jorge, e a maneira como ele se relaciona com outros (por exemplo, na figura da “espada sagrada” tão comum na iconografia de guerreiros lendários).

E mais divertido ainda foi subvertê-lo!

Você pode baixar o conto em formato e-book na sua loja preferida, acesse a hotpage: http://editoradraco.com/2012/12/23/dragoes-salve-jorge-andre-s-silva/

Quer ler esse e outros contos da coletânea Dragões? Acesse: editoradraco.com/2012/11/29/dragoes/ e garanta o seu exemplar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *