Os Personagens de Crônicas de Atlântida – Parte II
janeiro 25, 2016
Por dentro das Crônicas de Atlântida: o olho de Agarta
janeiro 27, 2016

Os Personagens de Crônicas de Atlântida – Parte III

Depois de recordar os personagens principais de O Tabuleiro dos Deuses e apresentar os protagonistas de sua continuação O Olho de Agarta, passamos a alguns personagens menos centrais para a narrativa do novo volume, mas muito interessantes e ilustrativos da variedade de povos e culturas do seu cenário. Os desenhos são de Mariana Lopes Fogo, com exceção daquele de Tuman, que é de Fernando Salvaterra.

Bakri (“Cabrita”) é o apelido dado por seus senhores a Yay Hoengseng (“Estrela Flamejante da Noite”), uma hilota (serva) camponesa levada de sua aldeia mugal contra a sua vontade, na adolescência, para servir como babá e faxineira em uma casa de oficiais agartis. Criou o protagonista Vasu desde o nascimento e tem com ele uma relação carinhosa. Sob uma aparência tímida e submissa, guarda segredos a serem revelados ao longo da história.

Yay_600

Uma hilota mugal baixinha, vestida com uma libré preta, cabelo puxado para trás e atado com duas fitas num longo rabo de cavalo, abriu a dupla porta e o atendeu com uma profunda reverência, mantendo depois os olhos baixos e os braços caídos. Vasu a conhecia pelo apelido de Bakri, “cabrita”, desde quando ele era um bebê de colo e ela uma aia adolescente, mas isso não a dispensava do temeroso respeito devido por uma serva.

 

– Muito bom dia, jovem siksu – usou o título devido a um aluno da Escola Militar.

 

– Meus pais estão?

 

– O senhor nayaka saiu para inspecionar os preparativos para o plantão da Guarda durante a festa, a senhora gulmika está. Permita-me anunciá-lo.

 

– Está bem – estava habituado às formalidades da casa, que enrijeceram à medida que os filhos cresciam. Ainda mais agora que os dois irmãos mais velhos serviam o Manu em terras distantes e a irmã mais velha morava com o marido em outro bairro.

 

Com outra reverência, a serva o deixou na sala de visitas, perfumada com incenso. Como sempre, limpa e organizada com rigor, almofadas, mesas e jarras alinhadas como guerreiras à espera da inspeção dos comandantes. O simbólico fogo sagrado queimava num braseiro sobre o altar doméstico, montado sobre a lareira apagada.

Parusya Angirasurupaputra é o pai de Vasu. É um alto oficial do Exército agarti, ajudante de ordens do comandante supremo na capital. Perdeu um olho ao lutar na juventude contra mugais rebelados. Disciplinado e patriota, é severo e exigente com os filhos.

Parusya_400

Os dois se apressaram a se pôr de pé e receber o nayaka Parusya com a saudação devida. Vestido com o uniforme de garança de oficial superior em dia de gala, barba e cabelo longos e encanecidos, capacete de chifres debaixo do braço, dragonas de prata no ombro, cicatrizes na testa e rosto, venda negra tapando a órbita do olho esquerdo perdido. Cobrou um relatório sobre o último mês, Vasu primeiro. Ele respondeu da forma concisa e objetiva exigida pelo pai, mas sem deixar de observar que seu desempenho fora o melhor do pelotão. Parusya pareceu satisfeito:

 

– Precisa continuar assim, filho, se quer chegar a nayaka com a minha idade. Espero que continue a mostrar o mesmo valor quando se formar. E você, kanya Ahalya?

 

O desempenho da kanya – como eram chamados os filhos de militares nas escolas preparatórias – era mediano e isso aborrecia imensamente o senhor nayaka, para o qual os filhos desperdiçariam a semente que lhes dera caso se mostrassem menos do que excepcionais. Como mínimo, queria que a filha fosse aceita no corpo das valquírias, a tropa feminina de elite do Império Agarti. Ela o confessou com voz firme, porém, o que valia algum crédito. Talvez por isso, o pai foi relativamente condescendente:

 

– Eu deveria ser mais severo, mas esta noite começa a Haulaka e quem entra nela com castigos e aborrecimentos está fadado a repeti-los por todo o ano. Suspendo a punição, kanya Ahalya, mas ela virá em dobro da próxima vez, se não tiver notícias melhores a dar. Não é isso que se espera de uma valquíria nascida de linhagens de oficiais superiores. Dispensados!

Tuman nasceu como nômade livre de uma tribo ogur (o povo chamado pelos atlantes de “helcariano”) e foi capturado na sua adolescência por agartis, para servi-los como cavalariço. Fala com sotaque pesado e tem modos rudes, mas é inteligente e amigável.

tuman400

– É que como servos em Manova não tinham família nem modelos. Quando tiverem oportunidade de se estabelecer, voltarão ao normal para sua raça.

 

– Que normal, que raça, que nada, mestre! Olha a cara de mim! Acha mesmo que ogur e mugal é diferente? É nada, mugal é ogur, só que domesticado. É como cavalo de carroça e tarpã da estepe. Filho de ogur criado por mugal vira mugal e o contrário também. Tem uma bebê mugal achada viva numa aldeia queimada pelas besta loura que foi salva por um clã ogur do norte e que virou chefe de muitas tribo e uma grande guerreira. Khutulun era o nome dela.

Beletsunu bintu Ubar é uma personagem secundária de O Tabuleiro dos Deuses que retorna em O Olho de Agarta. Depois de ter sido namorada de Sistu e uma jovem hetaira, ou beste online casino artista-prostituta de alta classe, tornou-se a matriarca de uma família influente, sócia de empreendimentos importantes e diretora de uma escola de educação sexual para adultos em Atlântis.

Beletsunu_600

Tjeypin não teve remédio senão prometer uma resposta. Mas não estava conformada e foi ao pai explicar sua inquietação. Talvez ele a entendesse melhor. Cruzou o pátio ajardinado da galó rumo à oficina, onde sabia que o encontraria. No caminho, encontrou Beletsunu lendo um caderno num banco de um canto da galeria que rodeava o jardim. Um roteiro para uma nova peça de teatro? Ou a contabilidade da escola? Fosse o que fosse, não era tão importante que ela não pudesse interromper para cumprimentá-la.

 

– Oi, Pin-ar. Por que essas rugas na testa, minha flor? Será que eu posso ajudar?

 

Tjeypin sorriu. Ela gostava de Beletsunu, sócia da mãe, amiga íntima de Tiakat e esposa extraoficial do pai, como uma segunda madrinha. Mas era uma situação na qual não valia a pena envolvê-la.

 

– Desculpe, Iaiá-ar, mas é com papai que preciso falar.

 

– Bem, mas conte comigo, quando quiser.

 

Tiakat, Sistu e Tjurmyen eram os moradores mais famosos, mas o casarão onde viviam era conhecido na cidade como Beletsunuló, “Teto de Beletsunu”. Era merecido, pois fora dela a ideia de fundar a comunidade, comprara o casarão para doá-lo ao grupo e era uma das pessoas que mais se dedicava à sua felicidade e harmonia.

 

Zangzhen é um jovem e brilhante tecnomago, especialista na construção e manejo de artefatos mágicos complexos. Misto de engenheiro e feiticeiro, cria um novo tipo de máquina voadora capaz de abalar o secular equilíbrio de poder entre Atlântida e Agarta.

Zangzhen_400

O rapaz ajeitava a tanga, ela se vestiu e de repente, disparou, enquanto amarrava as sandálias:

 

– Jomar-xin, você transaria com o Jen-ar?

 

– Que pergunta! Eu gosto é de garotas. Além disso, ele é muito criança!

 

– Como, criança? Ele nasceu no mesmo dia que eu!

 

– Ah, mas você é diferente!

 

Sim, Zangzhen, Jen-ar para ela, saíra tímido e perfeccionista como a mãe, enquanto ela saíra mais ao pai, tanto na aparência quanto no temperamento. Mas os gêmeos se entendiam muito bem e ela sentia como o irmão desejava Tikitini. Também nisso saíra à mãe: era mais atraído pelo próprio sexo. (…)

 

Jen-ar engatinhou com uma mochila de ferramentas pela passagem, enquanto Tjurmyen-Kinzhyn atravessava a antepara. Tjeypin observou de fora, enquanto a mãe orientava Jen-ar sobre como travar o dispositivo de segurança antes de abrir a garra. Então, entrou para ajudá-lo a trazer para a oficina o enorme cristal azul engastado num suporte de oricalco sujo de concreções, cracas e pedaços de coral. Tjeypin perguntou se queria que o limpasse.

 

– Não vale a pena – disse Zangzhen, ao se endireitar. – Quando chegarmos, vamos fazer um engaste novo, de outro formato, porque o Vailxi vai usar esse cristal de maneira diferente da rukma dos agartis. Além disso, é oricalco refundido, de baixa qualidade. Os agartis não sabem produzir oricalco. Derretem as peças atlantes que conseguem, mas não é a mesma coisa.

Kaineus de Calípolis é um guardião de Pótnias Calípolis que serve como imediato da capitã Lúsia de Calípolis na caravana anual dessa cidade a Manova, em Agarta. É um guerreiro leal, corajoso e competente, disposto a seguir sua líder até o fim do mundo.

 

Kaineus_600

Quando cheguei a Pótnias Calípolis, achei os acaios, todos mais ou menos brancos e com o mesmo tipo de rosto, muito parecidos, mas comparados aos agartis são bem variados. Testas e narizes, rostos e queixos variam de formato e tamanho relativo. Alguns são muito altos e de membros longos, como Lúsia, outros baixos e atarracados, como seu imediato Kaineus, que é da minha altura, tem cabelos e olhos escuros, é bem peludo até nos pés e mãos e, pensando bem, me lembra Prômato, o deus acaio do engenho, da construção e da metalurgia, tanto quanto Lúsia me lembra Pótnia: só falta ser manco como o deus. Feio, mas generoso e dono de um sorriso maroto que me dá tesão. Outros acaios são quase glabros. A maioria tem cabelos negros ou castanhos, mas há louros e uma das guardiãs mais jovens e gostosas, Íphis, tem cabelos cor de fogo. A pele é pálida, rosada, sardenta ou amorenada.

 

 

Sarata é o Manu ou imperador de Agarta, misto de sacerdote e guerreiro e herdeiro de uma dinastia milenar ao qual coube conduzir seu país em tempos particularmente agitados.

Manu_400

Ao cessar de vez o movimento da multidão, um coro de sacerdotes de ambos os sexos anunciou os supremos dignitários. O Manu em primeiro lugar, o Mahaguru a seguir e atrás dele o Mahakyauhan e os vinte e dois ministros menores, com seus mantos brancos de oficiantes e tiaras de ouro. Foram saudados por duzentos e cinquenta mil brados de hari e duzentos e cinquenta mil braços esticados. Sarata se postou na tribuna abaixo do trono, com o sumo sacerdote à sua mão da espada, o grão vizir à mão do escudo, os ministros de ambos os lados.

Quer uma imersão completa nesse universo? Leia os posts sobre “Os povos do mundo de Kishar”.

h3>Gostou? Você já pode adquirir o livro Crônicas de Atlântida – o olho de Agarta

capa-atlantida72

Em pré-venda com 20% de desconto, envios previstos para 28/02/2016. De R$ 59,90 por R$ 47,90. Clique nos botões abaixo para adquirir em nosso site, frete incluso para todo o Brasil.

Paypal | PagSeguro

Disponível em e-book em nossos parceiros:

Papel: Travessa | Cultura | Comix | Amazon | Saraiva | Geek

E-book: Amazon | Apple | Kobo | Cultura | Google | Saraiva |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *