Infectamos o Brasil! – Por Tiago Toy
abril 28, 2014
Bate papo com Zé Wellington sobre a HQ "Quem Matou João Ninguém?"
maio 2, 2014

“Samurais x Ninjas” – Coletânea – Guia para submissão de contos

lone-wolf[1]

Ito Oogami, “Lobo Solitário”.

Quando eu era criança nos anos 80 e 90 os ninjas apareciam nos filmes da TV aberta em horário nobre. American Ninja e Ninja 3: A dominação vêm à mente, mas essas produções B são claras inspirações para o fenômeno pop Teenage Mutant Ninja Turtles, as nossas queridas Tartarugas Ninjas. Além da importância dos shinobis na cultura pop ocidental, vale lembrar que também são adorados pelos japoneses, como podemos ver em games como Shinobi, Shadow Dancer, Legend of Kage; em filmes japoneses como Shinobi, dos anos 00; em mangás como A Lenda de Kamui, publicado no Brasil nos 90 e, para acabar com qualquer dúvida sobre a força deles, a série de mangá que tem tudo isso, filmes, games, animes e mais um pouco, Naruto. Tem até super sentai (tipo Power Rangers, sabe?), Ninja Sentai Kakuranger, de 1994. Depois tivemos Ninpuu Sentai Hurricaneger, que foi a base de Power Rangers: Tempestade Ninja.

ninja-gaiden-nes-ryu-hayabusa-revenge[1]

Ryu Hayabusa, “Ninja Gaiden”

Os samurais não ficam atrás, desde a trilogia de filmes japonesa lançada nos EUA com o título Samurai, que conta a história do Miyamoto Musashi, baseada no romance publicado originalmente em folhetim também publicado no Brasil, Musashi. Nos animes temos Samurai Troopers e Samurai Champloo (esse último um ótimo exemplo de mistura de cultura tradicional com elementos contemporâneos). Nos mangás, Rurouni Kenshin, ou Samurai X. O exemplo mais recente do fascínio que os servidores guerreiros japoneses causam desse lado do mundo foi 47 Ronins, baseado em uma história real de lealdade digna das lendas.

E há mesmo a mistura das duas coisas, que tal? O que os americanos chamaram de Samurai Pizza Cats é um anime cujo game para NES joguei por acaso quando moleque, sem nem entender japonês, Kyatto Ninden Teyandee (キャッ党忍伝てやんでえ, Lenda dos Gatos Ninjas Teyandee).

Acho que já deu para entender o quanto samurais e ninjas são especiais, não é mesmo? Após uma conversa com o amigo e editor Claudio Brites, a ideia da coletânea veio aparentemente por acaso, mas para mim é o ponto de fusão de uma ideia que vem há anos de propor textos de ficção especulativa que dialoguem com a cultura pop japonesa, usando dois de seus maiores ícones, os honrados samurais e os furtivos e habilidosos ninjas. Bem-vindo ao mundo de Samurai x Ninjas.

Sentai_Kakurangers2[1]

“Ninja Sentai Kakuranger”

O objetivo deste projeto é reunir trabalhos que possuam ou samurais ou ninjas como personagens principais ou como elementos importantes no enredo. Mas não é só isso. Não queremos histórias que tenham simplesmente como pano de fundo a história do Japão. Ou que fale de herdeiros desses legados ancestrais em uma Tóquio do século XXI. A ideia é a fantasia e a imaginação que esses personagens inspiram. Então se quer usar história, que seja como 47 Ronins. Que seja um mundo em que a tradição e as lendas se misturem. Aí fica bacana para criar ninjas que enfrentam demônios de outras dimensões, como em Ninja Gaiden.

Ou um mundo em que tudo seja baseado nas lendas ninja! Escolas de ninjas, artes ninjas, país ninja. Peraí, isso é Naruto. Mas pode ser algo tão bom quanto, é só ter em mente o objetivo de contar uma boa história.

Não precisa ter samurais e ninjas juntos, como dissemos antes, e nem deve ser uma história com lutas e artes marciais por toda a parte. A magia das lendas orientais é fascinante, já parou para pesquisar? Quem gosta de animes e mangás conhece o potencial de histórias contemporâneas de artes marciais de Ikkitousen, ou mesmo o teor mais satírico e infantil dos super sentais pode ser a base para um bom drama, elemento sempre presente nas narrativas japonesas.

Lembre-se das horas de videogame, de leituras de mangás e sessões de animes e filmes de ninjas e samurais. Lembre-se do romance Musashi e de Genji no Monogatari. Queremos boa literatura, acima de tudo, mesmo que seja inspirada pela cultura pop japonesa em todas as suas vertentes. Pegue a sua espada e vamos nessa!

Haohmaru[1]

Haoumaru, “Samurai Spirits”

Resumo

Antologia: Samurais x Ninjas.

Organizadores: Erick Santos Cardoso e Eduardo Kasse.

Conteúdo: Histórias de qualquer subgênero da ficção científica, da fantasia, do horror e gêneros correlatos, que possuam samurais, ninjas (ou os dois!) como personagens principais ou como elementos importantes. Como praxe em todas as coletâneas da Draco, não serão aceitos textos com referências excessivas a obras com direitos protegidos, ao ponto de poder ser caracterizado como fanfic. Nomes de personagens, ambientes, tudo isso entra nesse escopo e deve ser evitado. A ideia é se inspirar pelas obras já existentes para construirmos conteúdo próprio e com visões diferentes para o tema sugerido.

Formato da submissão: Arquivo .rtf com negritos e itálicos aplicados.

Contrato e pagamento de direitos autorais: Como todas as coletâneas da Editora Draco, não há cobrança nem obrigação de aquisição de exemplares aos autores. Os autores têm sempre desconto de 40% para adquirir exemplares e revendê-los, caso queiram. Além disso, a porcentagem de 15% do faturamento das vendas será dividida entre os autores e organizadores como forma de remuneração.

Limites: 4.000 a 8.000 palavras (não confundir com toques ou caracteres).

Remessa para: editoradraco@gmail.com com o título do e-mail “[SAMURAIS X NINJAS] Nome do Conto – Nome do autor”.

Deadline: 30 de setembro de 2014.

Divulgação dos participantes: 30 de novembro de 2014.

Erick Santos Cardoso e Eduardo Massami Kasse,

Abril de 2014.

0 Comments

  1. Saylon Sousa disse:

    Olá Erick e Eduardo.
    O prazo inicial de divulgação da seleção para a coletânea passou. Qual a previsão agora?
    Obrigado.

  2. Gisele Bizarra disse:

    Olá, olá!
    Vocês já estão com os resultados dos participantes da coletânea?

  3. Diego Andrade de Carvalho disse:

    Olá,
    quando eu fui enviar o meu conto, inintencionalmente o e-mail foi enviado sem o conto. Eu reenviei o e-mail após este problema. Há algum problema em relação a mandar um e-mail duplicado? Obrigado.

  4. Diego Carvalho disse:

    Olá, eu tenho uma dúvida que gostaria de sanar: para manter o envio mais organizado, enviarei o conto com título e nome do autor tanto no corpo do texto quanto no nome do documento, além de ser informado no título do e-mail, como já mencionado. Mesmo com o título e autoria, o documento está no limite de palavras. Há algum problema quanto a isso? Eu sei que está em cima da hora, mas não pude perguntar antes pois passei uns dias hospitalizado… Obrigado por antecedência e desculpe por incomodar.

  5. Leo disse:

    Gostaria de saber se essa e as outras antologia vão sair em livro físico ou e-book? E se além dos descontos os autores receberam algum exemplar.

  6. Felipe disse:

    Olá, gostaria de saber se a temática pode ser apenas ninjas ou apenas samurais. Precisa especificamente ter os dois na história?

  7. Pedro disse:

    Gostaria de saber se eu posso participar da Imaginários e ainda enviar um conto? Ou eu posso enviar os dois mas participar só de um?

  8. Cintia disse:

    Contos acima de 8 mil toques são descartados?

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Oi Cintia, na verdade são palavras!

      Limites: 4.000 a 8.000 palavras (não confundir com toques ou caracteres).

      Até mais!

  9. Saylon Sousa disse:

    Material enviado. Junto ao texto segue duas imagens usadas dentro do conto. Confirmem, se possível, o recebimento do material. Obrigado.

  10. Logan Gomes da Silva disse:

    Olá. Estou com duas dúvidas, agradeceria se pudessem sana-las.

    1) “Formato da submissão: Arquivo .rtf com negritos e itálicos aplicados.” Gostaria de saber se o formato .rtf seria o Rich Text Format e quando se referem com negrito e itálicos aplicados, vocês se referem a alguma obrigatoriedade no texto, uma necessidade que precisa ser cumprida, ou caso o autor sentir necessidade de utilizar negrito e/ou itálico ele já deve aplica-los seria isso?

    2) “Limites: 4.000 a 8.000 palavras (não confundir com toques ou caracteres).” Aqui seria palavras mesmo, como acusa o marcador de texto do Word na base inferior esquerda do programa certo?

    Muito obrigado, agradeço muito se puderem me ajudar. Abraços.

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Oi Logan, tudo bem?

      Vamos lá

      1) RTF é o Rich Text Format mesmo. E os negritos e itálicos devem ser aplicados quando o autor sentir necessidade.

      2) Isso mesmo, use o contador de palavras do Word.

      Até mais!

  11. Cravo Álvares disse:

    Dúvida! Posso enviar meu conto sob um pseudônimo?

  12. Diego Carvalho disse:

    Eu tenho uma dúvida: por mais que pareça uma pergunta desnecessária (temos de ter todos os detalhes possíveis fixos em nossas cabeças, senão uma rejeição do conto por uma besteira pode acontecer), é possível abordar a temática de ninjas e samurais um pouco depois do início do conto, considerando que eles são o fator principal, não é mesmo? Eu pretendia iniciar o conto de uma forma um pouco filosófica com a aparência de um dia japonês qualquer, para depois entrar no tema… Mas ainda assim teria os samurais e ninjas como assunto principal.
    Obrigado pela atenção!

  13. Saylon Sousa disse:

    A utilização de imagens (símbolos e/ou mapas,por exemplo) são atributos de avaliação do conto? Ou seu uso pode ser um critério de descarte do material? Digo isso porque pretendo usar um símbolo e um mapa (nada exagerado) em dois momentos específicos, como elemento extra da narrativa. E outra coisa: o uso de termos em japonês (na escrita romanji) necessita de glossário e/ou tradução acompanhada? Digo isso porque acredito que a utilização de alguns termos em romanji (como nodashi – um tipo de espada – e yukata – roupa de banho) só ganham sentido característico com a temática se usados no original. Por favor, esclareçam essas dúvidas! Obrigado.

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Olá Saylon, tudo bem?

      1) Pode usar imagem e mapa, mas lembre-se que a impressão vai sem em P&B.
      2) Pode usar termos em japonês, claro que com moderação para não atrapalhar a fluência da leitura.

      Abraços!

      • Saylon Sousa disse:

        Obrigado. Quanto as imagens está tudo ok. Em si são em P&B. Já os termos em japonês, tranquilo também. Acredito não ter cometido excessos. Muito obrigado por tirar essas dúvidas. Espero estar enviando esse material até o final do mês. Aguardem!

  14. Sarah Helena disse:

    ” Como praxe em todas as coletâneas da Draco, não serão aceitos textos com referências excessivas a obras com direitos protegidos, ao ponto de poder ser caracterizado como fanfic. Nomes de personagens, ambientes, tudo isso entra nesse escopo e deve ser evitado. A ideia é se inspirar pelas obras já existentes para construirmos conteúdo próprio e com visões diferentes para o tema sugerido.”

    Mas e termos característicos de gênero? Por exemplo, Sprawl e Matriz, nascem na obra de um autor mas estão generalizados em histórias cyberpunk. Pode, quando já virou característica do gênero?

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Oi Sarah, tudo bem?

      Se os termos já forem de “uso comum” pelo gênero, pode usá-los. Lembre-se sempre de aplicar com moderação e bom senso, ok?

      Até mais!

  15. Saylon Sousa disse:

    Olá. Gostaria de saber a respeito dos direitos autorais. Meu já deve ser registrado na BN, ou não é necessário? Se não, qual as garantias para os meus direitos autorais sobre a obra? Aguardo resposta. Obrigado.

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Oi Saylon!

      Há um contrato entre a editora e o autor, e dentro das condições estipuladas, honraremos os nossos acordos.

      Não há necessidade de registro na BN, mas encorajamos a todos os autores que usem de todos os meios que acharem justos para proteger a sua obra intelectual. O nosso interesse é em contratar os trabalhos mais legais para publicação, incentivando a produção e divulgação de autores brasileiros.

      Até mais.

  16. enzo disse:

    O cenário deve ser necessariamente situado no seculo XXI? Ou pode não ser algo explícito? Meio que atemporal…

    Como funciona a ideia de ter ilustrações para os contos?

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Olá Enzo, tudo bem?

      A escolha do cenário e da época em que a história acontece é livre. O importante é seguir o tema, ok?

      Sobre as ilustrações: nesse caso elas não estão previstas. O que será avaliado é o conto. Se quiser enviá-las junto, pode mandar, mas elas não terão peso na avaliação.

      Obrigado.

  17. Joel Puga disse:

    Estava a pensar até que ponto posso explorar o aspecto super sentai do projecto. Mechas e artifícios afins estarão dentro dos parâmetros desejados?

    • Erick Santos Cardoso disse:

      O maior objetivo é trabalhar os elementos da Cultura Pop japonesa. Você pode ir até onde quiser, contanto que haja a amarração com o tema de Samurais e Ninjas. Abraços!

  18. Johannes Wiegerinck disse:

    Olá!

    Russian Reversal da pergunta anterior:

    O mesmo autor pode mandar mais de uma história? =)

    Obrigado.

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Olá Johannes!

      Você pode enviar mais de um conto, entretanto, será selecionado apenas um de cada autor.

      Bom trabalho por aí.

  19. Diego Sousa disse:

    Pode ser escrito por duas pessoas?

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Oi Diego, tudo bem?

      Pode sim, desde que esteja dentro dos padrões de caracteres e tema, sem problemas.

      Bom trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *