Draco na Primavera dos Livros 2014 – RJ
outubro 22, 2014
Sessões de autógrafos do livro "Lagoena" em São Luís, Maranhão
novembro 1, 2014

Você sabe a diferença entre terror, horror e gore?

terror1

Já faz algum tempo que eu estava a fim de falar sobre isso e foi ótimo quando a Camila do Vida Complicada disse que gostaria de publicar em seu blog algum texto meu sobre o assunto. Eu adoro esse gênero, seja na literatura, no cinema ou em games, e até mesmo já escrevi várias histórias com essa temática. Até mesmo meu romance Alameda dos Pesadelos tem um pézinho nesse mundo, apesar de muita gente dizer que mais chorou lendo o livro do que outra coisa (o que não é nada ruim, pelo contrário, é incrível!).

Mas afinal, qual a diferença entre horror, terror e gore? E, mais ainda, existe uma diferença?

Há sim uma diferença entre os termos, mas ela é sutil, especialmente quando falamos de horror e terror, tanto que muita gente usa as palavras como sinônimos. Vamos recorrer à Wikipedia:

“Terror ou Horror é um gênero literário, cinematográfico ou musical, que está sempre muito ligado à ficção e fantasia, e que também pode ser verificado na pintura, no desenho, na gravura e fotografia. A abstrata idéia de terror ou o ato de transmitir o sentimento de terror ou horror pode ser verificado em todas as formas de arte. Ao decorrer da década de 1990, até os dias de hoje, o gênero também compreende um estilo de desenvolvimento de jogos eletrônicos.”

notamused
Ok, a Wikipedia também utiliza os termos como sinônimos e define como o “ato de transmitir o sentimento de terror ou horror”. Obrigada, Wikipedia, você não ajudou muito a gente, não é verdade? Porque, afinal, o que são esses sentimentos? Como defini-los?

“Terror é geralmente descrito como o sentimento de medo e expectativa que precede a experiência horrível. Por outro lado, horror é o sentimento de repulsa que geralmente ocorre depois de algo assustador é visto, ouvido ou experimentado. É a sensação que se tem depois de chegar a uma realização terrível ou experimentar uma ocorrência profundamente desagradável. Em outras palavras, horror está mais relacionado a ficar chocado ou assustado (sendo horrorizado), enquanto o terror está mais relacionada à ansiedade ou medo. Horror também pode ser definido como uma combinação de terror e repulsa.” Fonte

Obrigada, Wikipedia em inglês, você sempre é bem mais detalhada!

amused
Perceberam a diferença? O terror é muito mais sobre ficar ansioso antes de algo horrível acontecer, enquanto o horror é o sentimento de repulsa após algo horrível acontecer. O que importa é que ambos são sentimentos e, portanto, algo extremamente subjetivo. O que para você pode dar medo ou nojo, pode ser normal para o seu vizinho, por exemplo. Esse “algo horrível” pode ser qualquer coisa, desde uma barata repulsiva gigante até a morte de um ente querido. O sentimento é diferente para cada pessoa e jamais duas pessoas vão sentir algo da mesma maneira.

Um exemplo de uma obra que me causa arrepios só de lembrar é o conto O Fantasma ou The Boogeyman, de Stephen King. A história toda se passa com um cara se consultando num psiquiatra e contando como seus filhos foram mortos por uma entidade sinistra no meio da noite. Não há um pingo de sangue no conto e aparentemente nada acontece, mas durante toda o texto o leitor fica ansioso, sentindo a tensão se avolumar a cada linha. É uma leitura sufocante. Quase todo o texto é terror, e o horror só dá as caras no desfecho perturbador do conto. É meu conto preferido do King, mas pode não ser o seu; pode ser até que tenha alguém por aí que não viu nada de especial nessa história.


Mas, se os sentimentos são tão completos e tão tênues, como agir, especialmente se você está escrevendo/criando algo e deseja que isso cause um sentimento de horror/terror?
Acredito que não haja uma fórmula exata. O importante, de verdade, é construir uma história com tensão, que envolva o leitor/telespectador e cause algum tipo de sentimento.

Porém, não há como saber se esse sentimento vai ser de medo, ansiedade, repulsa, choque ou, até mesmo, lágrimas ou revolta. Isso vai depender de como a pessoa do outro lado vai reagir e cada um reage à sua própria maneira. Eu adoro horror e terror, mas não sou uma pessoa que se assusta fácil; quando eu assisti O Exorcismo de Emily Rose dei risada o filme inteiro e toda vez que jogo Silent Hill 4 o que mais faço são piadas durante o jogo e às vezes até fico cantando. E não sou a única maluca que faz isso, não.


Mas nenhuma dessas reações causa um demérito nas obras, que são excepcionais. É apenas a minha reação; não sou nenhuma psicóloga, mas isso pode até ser uma maneira que eu tenho de lidar com o medo, quem sabe? É aí que entra o bom senso do leitor/telespectador: a obra é ruim ou é você que é pouco impressionável? Enquanto você dá risada, o vizinho pode estar se borrando nas calças. Você sentiu algo, apesar de não sentir medo? Quem sabe você não ficou tenso ou ansioso? Isso já é um sentimento e uma vitória para o criador da história. E uma coisa importante: nem todo terror/horror tem sangue espirrando.

É aí que entra o gore ou splatter.

Todo gore é um horror/terror. Mas nem todo horror/terror é um gore.

“Splatter filme splatter ou filme de Gore é um subgênero do cinema de terror que, deliberadamente, se concentra em representações gráficas de sangue e violência gráfica . Estas películas, por meio da utilização de efeitos especiais, tendem a apresentar um interesse evidente na vulnerabilidade do corpo humano e a sua teatral de mutilação.”Fonte

Gore é um subgênero, portanto, você nem sempre vai ler uma história de terror ou de horror envolvendo sangue e tripas. Há exemplos de obras de horror que não têm sequer uma gota de sangue, tudo pode se desenvolver apenas com a tensão e, principalmente com o terror psicológico. Essa é uma das áreas que eu mais gosto de trabalhar em meus textos; os conflitos internos do ser humano, o medo de si próprio, o choque envolvendo suas próprias ações, dilemas de consciência, a reação ao inesperado. Já ouvi leitores reclamando que havia pouco sangue em meus textos; bem, aí vai, eu não escrevo gore, apesar de já ter visto/lido muita coisa assim, não sou a maior fã dessa coisa gráfica e violenta, prefiro muito mais causar um sentimento desagradável na boca do estômago do que fazer a pessoa vomitar. Então, se você procura gore, violência, mutilação ou algo do gênero, meus textos não são pra você.

Exemplos clássicos de gore: A Centopeia Humana e A Morte do Demônio.


Agora, se você curte tensão, ansiedade e medo em uma história, com poucas doses de sangue ou talvez sem sangue algum, aí sim pode dar uma chance aos meus textos. Quem sabe não desperto algum sentimento em você? 😉

O último dia de outubro (saiba como adquirir)

Emílio Bianco é um serial killer sofisticado; os assassinatos que realizou durante trinta anos de carreira eram verdadeiras obras de arte. Suas pinturas de morte ainda assombram e despertam o mórbido interesse dos especialistas. Atualmente está enterrado vivo em uma instituição psiquiátrica, para segurança de todos. Mas Emílio ainda tem uma última obra a finalizar. O final de outubro se aproxima.

Publicado originalmente em: http://papelepalavras.wordpress.com/2014/10/24/horror-terror-e-gore-afinal-qual-a-diferenca/

13 Comments

  1. Herandro disse:

    Já vi “A Centopéia Humana” ser classificada como TORTURE-PORN, um sub-gênero do GORE. Já ouviram falar disso?

  2. Paulo disse:

    Excelente artigo!!!!!!

  3. Diego Cristo disse:

    Mas se um filme possui duas ou as três dessas características, como faz para denominá-lo?

  4. Marcus Ferreira disse:

    Preciso falar com alguém a respeito do livro de terror que vou escrever. Ele tem elementos lovecraftianos, que me ajudaram a criar uma própria entidade demoníaca habitando uma casa no Rio Grande do Sul. Quem ficou curioso(a) me contate por email [email protected]

  5. Beatriz Bergue disse:

    Gostei bastante do post, vai me ajudar a escrever (ou pelo menos tentar) o meu primeiro texto de terror.

    Ps: Eu não deveria ter assistido o vídeo da centopeia humana. Meu estomago embrulhou e eu não estou passando muito bem kkk. Minha dica é não aperte o Play.

  6. marcio silva de almeida disse:

    Boa materia sobre o tema (muito obscuro, pesado por sinal). Filmes como “O Exorcista” – 1973, series como “Casa do Terror” (Hammer)/1985.
    Good Times!!

  7. marcio silva de almeida disse:

    Boa materia sobre o tema (muito obscuro, pesado por sinal). Filmes como “O Exorcista” – 1973, series como “Casa do Terror” (Hammer)/1985.
    Good Times!!

  8. Welington disse:

    Já assisti muito filme gore (mas a maioria é patétic0 com cenas forçadas, quase hilárias) também já assisti muitos dos “quanto mais bizarro melhor!” Exemplos: Martyrs, Begotten, Eraserhead, Nekromantik, A Serbian Film, Holocausto Canibal, Saló – 120 dias de Sodoma, Orozco o embalsamador. Só um aviso: Caros gafanhotos se não têm estômago fiquem bem distantes desses títulos.

  9. Dyórgia disse:

    Bem explicativo seu post. Quanto a silent hill 4, é o meu SH favorito e que mais me assustou. Os barulhos, gemidos dos fantasmas e o rangido de metal me davam calafrios. Quando eu assisti “sobrenatural cap.3 ” teve uma cena que literalmente cai do sofá de tanto rir. Eu também não tenho me assustado muito com esses filmes atualmente. Um abraço ^^

  10. Estefania Crisitna disse:

    Eu também dou risadas vendo alguns filmes de Terror kkkk
    Centopeia humana não tenho coragem de ver, é terrível de mais.
    Quem sabe um dia.

  11. Bárbara Valdez disse:

    Eu realmente não curto estilo Gore, gosto é da antecipação e do terror psicológico. Esse filme da Centopeia Humana já tinha ouvido falar em outro local e dá uma agonia só de pensar! Ui. rsrsrs

  12. Angel Sakura disse:

    Eu vejo muito dessas diferenciações em mangás. Eu gosto do terror e da expectativa do desfecho.
    Excelente postagem!
    Eu Insisto

  13. Eliane De Lacerda disse:

    gostei muito do post!
    Muito informativo!
    http://www.elianedelacerda.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *