Super-Heróis: Um bate-papo com Lucas Rocha, autor de “A Verdade Sobre Raio Vermelho”
novembro 8, 2013
Meu Amor é um Sobrevivente: Uma cidade chamada Anomia, Lidia Zuin
novembro 12, 2013

Super-Heróis: Um bate-papo com Antonio Luiz M. C. Costa, autor de “Jaya e o Enigma de Pala”

Na faculdade, havia quem lhe admirasse a perfeição das formas e da pele e quem a invejasse, mas ninguém duvidava de que aquela loura miúda de olhos verdes era humana. Mas se um colega mais antenado (desta vez no sentido figurado, bem entendido) com os debates sobre a pós-modernidade soubesse de seus segredos, talvez a considerasse uma ciborgue. Ou uma neo-humana. Em todo caso, uma transumana.

 

O corpo de Jaya era o resultado da aplicação de dois mil anos de nanotecnologia e engenharia genética a humanos basais como os que ali a cercavam. Nanobôs em perfeita simbiose com suas células modificadas reforçavam ossos e músculos e lhe aceleravam e multiplicavam a regeneração de tecidos e os recursos de seus sistemas imunológico, nervoso e sensorial, além de lhe conferir capacidades adicionais de controle do corpo, manipulação de energia e transcepção de ondas de rádio, como as que se preparava para enviar pelo portal dimensional aberto na sala-quarto a seu parceiro totalmente inumano.

CROPJaya

O que você curte nos super-heróis?

A proposta de levar esse tema dos quadrinhos à literatura tem dois atrativos interessantes. Um é desenvolver com mais coerência os motivos e ideias de um protagonista capaz de fazer coisas muito acima da capacidade dos outros personagens de seu mundo, o que seria chato no contexto visual dos quadrinhos e do cinema, que exigem mais ênfase na ação, mas cabe bem num texto. O outro é a possibilidade de brincar com os clichês e convenções do gênero, com a mistura de ideias infantis, juvenis e adultas que cabem nele e com seus padrões de verossimilhança bem elásticos.

Como foi escrever para uma coletânea sobre super-heróis, mas tendo essa questão da identificação luso-brasileira?

Para mim é natural. Escrever a partir da cultura brasileira é o meu padrão, mesmo que o cenário seja outro país ou outro planeta. Buscar uma identidade diferente é que exige um esforço especial.

Das ideias que você poderia ter, por que Jaya?

Jaya e Virtual Boy foi uma história criada inicialmente para entreter meus filhos e os dois heróis são baseados neles, ou numa caricatura de como eles eram por volta de 2003 (não que tenham mudado tanto assim) combinada com ideias e manias da época em relação a ficção científica, teorias conspiratórias e política (que também penso não terem envelhecido demais). Quis fazer uma história divertida e de sabor infantojuvenil sem ser banal ou ingênua. Algo capaz de interessar crianças e adolescentes inteligentes.

Interessou-se pela coletânea Super-Heróis? Acesse: editoradraco.com/2013/10/18/super-herois/ e garanta o seu exemplar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *