Dragões: Escrevendo “Drakkan”, Nuno Almeida
outubro 29, 2013
Super-Heróis: Um bate-papo com Gerson Lodi-Ribeiro, autor de “O doutor e o monstro”
outubro 31, 2013

Super-Heróis: Um bate-papo com Roberta Spindler, autora de “Herói das urnas”

O partido tinha sugerido contratar Adalberto para ser o cérebro de sua campanha, diziam que era um dos melhores marqueteiros do Brasil. Sabia, portanto, que discutir com ele era um caso perdido. O Mito entendia de destruir muros, desviar de balas e subir nos morros, Adalberto era o perito em fazer política. Inconscientemente, o ex-vigilante passou a mão sobre a perna machucada. De que adiantava ter uma força sobre-humana se nunca mais poderia correr ou saltar? A verdade era que se perdesse aquela eleição, acabaria sem dinheiro e em um asilo para inválidos.

CROPHeroi das urnas

O que você curte nos super-heróis?

Sempre fui encantada por super-heróis, até hoje permaneço consumidora voraz de histórias em quadrinhos do gênero. Quem nunca desejou ter um super-poder, voar pelo céu ou elevar montanhas com as mãos? O que mais me fascina, porém, é o fato de que, apesar de focar elementos fantásticos, o gênero dos super-heróis também trabalha problemas e dificuldades que nós enfrentamos no nosso dia a dia. Aceitação do novo ou do diferente, preconceito, qual nosso lugar no mundo. Esses são apenas alguns exemplos de que podemos abordar o incrível, sem esquecer daquilo que nos move no mundo real.

Como foi escrever para uma coletânea sobre super-heróis, mas tendo essa questão da identificação luso-brasileira?

Acredito que temos material de sobra para fazer ótimas histórias de super-heróis. A identificação luso-brasileira só vem enriquecer o gênero, trazer um ar novo a um tema que já sofre uma certa saturação no grande mercado americano.

Das ideias que você poderia ter, por que o Mito?

A ideia surgiu ano passado quando comentava com amigos como tantos ex-jogadores de futebol e artistas candidatavam-se a cargos políticos. Então, parei e me perguntei como seria se um super-herói aposentado tomasse o mesmo caminho. Será que ele encontraria dificuldades entrando nesse mundo tão controverso? Como reagiria? Achei que era um tema interessante e decidi investir nele.

Interessou-se pela coletânea Super-Heróis? Acesse: editoradraco.com/2013/10/18/super-herois/ e garanta o seu exemplar!

0 Comments

  1. rosana aparecida disse:

    oiii

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *