Os três E’s para o sucesso de um projeto colaborativo
setembro 18, 2013
Excalibur: Escrevendo “A Dama da Floresta”, Ana Lúcia Merege
setembro 20, 2013

Excalibur: Escrevendo “A Memória da Espada”, Roberto de Sousa Causo

Arthur não pôde acreditar que aquele selvagem sem armadura, brandindo uma espada emprestada dos romanos, tivesse passado incólume por sua Guarda Real e, sozinho, arrancara-o de sua cela e o atirara no chão sangrento do campo de batalha. Não fosse pela intervenção pressurosa de Sir Kay, a espada do bárbaro teria encontrado a sua garganta.

 

O golpe de Kay atingira o inimigo no alto da cabeça, partindo como a uma laranja o frágil capacete de couro e ferro batido. O petulante terminara prostrado na lama, e Arthur e seus cavaleiros foram logo envolvidos pelo clamor da batalha, tentando recolocar o rei em sua montaria e afastá-lo do mêllée.

 

Horas mais tarde, a batalha vencida e os inimigos desbandados, Arthur Pendragon voltou-se para o caso do único homem que, em anos, conseguira colocá-lo ao chão. Um simples soldado, um camponês recrutado nas montanhas. A profecia de Merlin assombrava os pensamentos do rei. “Um dia surgirá um homem sem traços de nobreza que, por sua mera existência, porá em risco a vida do Rei e a segurança do reino”, o mago havia dito.

dore

Idylls of the King – Gustave Doré

Há um momento em Le Morte d’Arthur (1485), a longa narrativa compilada e glosada por Sir Thomas Malory no século XV, em que Malory trata da expedição punitiva do Rei Arthur à Europa continental. Ao enumerar as forças inimigas, Malory menciona tropas portuguesas: “E todos estes eram súditos de Roma e muitos mais, como Grécia, Chipre, Macedônia, Calábria, Castelândia, Portugal, com muitos milhares de espanhóis”.

É bom lembrar que se Arthur realmente existiu, viveu na Inglaterra do século V, quando os povos daquilo que seria Portugal eram conhecidos como “lusitanos”. O termo “português” é posterior à formação do Condado de Portucale, no século IX – eu até escrevi uma história de fantasia ibérica ambientada naquele momento da história do país: “A Clareira Mágica”.

De qualquer modo, aquela alusão passageira aos portugueses no livro de Malory me deu a dica para escrever um conto de fantasia arturiana que fosse também fantasia ibérica, e portanto mais próximo da nossa realidade. Na minha história, Darius, um guerreiro lusitano derruba Arthur do cavalo durante a batalha, e se torna o centro de uma disputa entre os cavaleiros de Arthur e a Fada Morgana.

Houve um momento na década de 1990 em que eu lia muita fantasia, até para ter assunto para o meu fanzine Borduna & Feitiçaria. A fantasia arturiana era uma das minhas favoritas, fã que sempre fui do Rei Arthur e dos Cavaleiros da Távola Redonda, por causa das histórias em quadrinhos do Príncipe Valente de Hal Foster. Já havia lido As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley, e também a Trilogia Merlin de Mary Stewart. Foi da leitura dos notáveis romances de Stewart que tirei a ideia de ambientar o desfecho da história no momento em que Merlin está encarcerado na Caverna de Cristal, por força da magia superior de Nimue ou Viviane, a Dama do Lago.

Acho sempre muito interessante escrever histórias em diálogo com outras tradições literárias. A oportunidade de escrever uma fantasia arturiana foi uma delícia, em particular pela possibilidade de contribuir para uma proximidade maior dessa tradição junto à literatura brasileira. Lembro que o Ciclo Arturiano é patrimônio europeu, e que a cópia da Demanda do Santo Graal guardada na Torre do Tombo é um documento muito importante dentro do ciclo, e que parte da aura arturiana está presente em muito da tradição da poesia de cordel no Nordeste – uma associação que Roberto de Mello e Souza explorou muito bem nas novelas A Tisana e Pão de Cará, que transportam situações da arturiana para o sertão.

Eu também espero que os leitores apreciem a mensagem pacifista que meu conto traz.

Quer ler esse e outros contos da coletânea Excalibur – histórias de reis, magos e távolas redondas? Acesse: http://editoradraco.com/2013/09/02/excalibur-historias-de-reis-magos-e-tavolas-redondas/ e garanta o seu exemplar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *