Cthulhu Tour atravessa país para divulgar quadrinho
outubro 5, 2016
Aberta a seleção para o último livro da trilogia do medo duotone
outubro 31, 2016

Editora Draco abre seleção para coletânea: Na Quebrada – Quadrinhos de Hip hop

hip-hopHip hop com fantasia urbana é o tema da nova coletânea!

O movimento hip hop surgiu na década de 1970, pelas ideias de pessoas como DJ Kool Herc, DJ Hollywood, Africa Bambaataa e DJ Grandmaster Flash , na cidade de Nova York. A cena conquistou o mundo através de seus quatro elementos: o MC, responsável pela poesia e pela força da palavra (criando a música RAP, ritmo e poesia); o DJ, capaz de extrair ritmos e emoções com sua música; o Break, expressividade através da dança; e o Grafite, que é a arte subversiva feita nas paredes da cidade. Sem falar que cada grupo e local tem suas próprias mensagens, ideologias e tal, o que liga tudo é a rima e a rua.

Sem dúvida, não dá para separar o hip hop do cenário urbano das grandes cidades e a música rap é uma das principais manifestações culturais do planeta. Pensando em tudo isso, percebemos que precisávamos criar algo misturando a cultura das ruas com o espírito Draco de contar histórias. Daí surgiu a coletânea Na Quebrada – Quadrinhos de Hip hop!

Estamos loucos para ver o que pode surgir da mistura da cultura hip hop com elementos da fantasia urbana. Esperamos histórias em quadrinhos inspiradas em grandes nomes do movimento como Racionais MCs, Os Gêmeos, Zézão, Nega Gizza, Thaíde & DJ Hum, 509-E, Negra Li, Ferréz, Spike Lee, Sabotage e muitos outros. Além de influências fantásticas de obras como Sandman, Supernatural, Hellblazer, Vampiro a Máscara, Edição de Amanhã e qualquer outra narrativa urbana com algum toque fantástico.

Queremos toda a pegada das ruas com sua arte e expressão, formas de se vestir, jeito de pensar, filosofia e vivências da periferia e tal. Somada ao universo da fantasia, do terror e da ficção científica. Sempre respeitando a ideia de que os elementos fantásticos são apenas um charme no já fantástico universo do hip hop. Imagine contar uma história envolvendo grafite e magia do caos, break e viagens para outros planos, rolês tocando rap onde orcs e elfos não se misturam e tudo mais que sua imaginação permitir. Vamos dar prioridade para quem encontrar soluções elegantes e adaptar bem o ambiente ao tema. O verbo e a tinta são o limite!

Estamos convidando você para misturar tudo isso em NA QUEBRADA, a nova coletânea de quadrinhos originais da Editora Draco.

Poderão participar:

  • Quadrinistas (roteiro + arte);
  • Duplas de criação (roteiristas + ilustradores);
  • Artistas solo (ilustradores ou roteiristas) – encaixaremos os ilustradores com os roteiristas de acordo com as suas características.

Idade mínima:

Não existe idade mínima, porém menores de idade deverão ter o contrato assinado pelos responsáveis legais.

Sobre os materiais para avaliação

Os roteiros e as artes devem ser histórias urbanas do gênero fantástico com influências e pegada da cultura hip hop, de preferência a brasileira. Dá para trabalhar misturando esse universo das ruas com terror, fantasia, ficção científica, new weird, humor, policial etc, desde que tenha como foco principal a ambientação do movimento.

Lembrando que a história não precisa ser predominantemente de fantasia, ela pode ter apenas um elemento fantástico e ser totalmente pé no chão. O que manda aqui é o hip hop, a fantasia é só pra temperar. Porém, nada impede de pesar a mão nos elementos fantásticos.

Alguns exemplos que misturam muito bem esses elementos são as séries de televisão Luke Cage, Super Choque e The Get Down. Os filmes O Último Dragão (sim, do Bruce Leroy), MIB, Pixo (documentário), Hancock (colocaria todos os clássicos do Spike Lee) etc.  A vibe dos caras do Wo Tang Clan. Sem falar em quadrinhos como Prince of Cats, Hip Hop – Genealogia, Cage, Heroes for Hire, DMC, Rappin’ Max Robot, Felt: True tales of underground hip hop, Tokyo Tribes, Sentences: The Life of MF Grimm, Gangsta Rap Posse  e muitos outros. Fique a vontade para recomendar outras obras nos comentários, vamos acrescentar todas que forem pertinentes.

Damos preferência para histórias inéditas e que não sejam séries que já estejam publicadas na web. Nosso objetivo é construir as histórias em conjunto com os autores, buscando profissionalismo e qualidade.

Não há preconceitos com estilos. Assim como esperamos roteiros bem narrados e diversificados, também aceitamos traços de todos os tipos. Dos mangás aos europeus, sem esquecer dos heroicos comics estadunidenses. Ou nada disso, uma proposta única e típica dos brasileiros que conquistam o mundo das artes sequenciais. O formato dos álbuns é 17 x 24 cm e a mancha de arte passa a ser estipulada em 14 x 21 cm, ou seja, as margens são de 1,5 cm em todos os lados.  O que quer dizer que todos os detalhes importantes (inclusive os textos, não os balões, que podem vazar) precisam estar dentro dessa área. As histórias serão impressas em PRETO e BRANCO.

Atenção! Todas as histórias começam em uma página ímpar e terminam em uma página par. Por isso planeje páginas duplas ou cenas de impacto com isso em mente.

As histórias do álbum são para um público adulto, portanto nudez e violência são permitidos, desde que façam parte do contexto e não sirvam simplesmente para chamar atenção.

Lembrando que não se trata de um concurso, mas uma seleção do que melhor atender aos interesses editoriais da Editora Draco.

A coletânea terá 120 páginas, com 6 histórias de 20 páginas em PRETO e BRANCO (impressão em 1 cor). Serão publicações em formato de álbuns para livrarias, ou seja, a ideia não é a distribuição em bancas, mas nas grandes redes de livrarias e lojas especializadas.

Resumo

Antologia: Na quebrada – Quadrinhos de hip hop

Organizadores: Erick Santos Cardoso e Raphael Fernandes.

Conteúdo: Histórias em quadrinhos do subgênero fantasia urbana com ambientação no hip hop brasileiro.

Formato da submissão: Envie a sua submissão para o e-mail dracomicsbr@gmail.com em PDF ou imagens em JPG, GRAYSCALE (tons de cinza – retículas, impressão em 1 cor), com no mínimo 150 dpi para avaliação e 300 dpi caso seja aprovado, com o assunto [HIPHOP].

Modo de envio:

QUADRINHOS: As páginas de quadrinhos da Draco têm a medida de 17 x 24 cm e a mancha de arte passa a ser estipulada em 14 x 21 cm, ou seja, as margens são de 1,5 cm em todos os lados. Cores: PRETO E BRANCO (impressão em 1 cor).

ROTEIRO: As páginas de roteiro deverão ter indicação de Quadro e Balão de acordo com a sua ordem de leitura. Ex.:

Página 1

Quadro 1: Personagem lendo na internet como enviar um mangá para a editora Draco

(Personagem) Balão 1 – Ah, é assim que mando o material!

No seu e-mail deve conter:

Se for roteirista:

Sinopse de um parágrafo e resumo da história (contando tudo o que acontece, não um texto que instigue a leitura). E roteiro completo que resulte em 20 páginas no resultado final. Ou seja, o roteiro é para produção de 20 páginas de HQs desenhadas. O roteiro deve ter formatação com indicações de balões e personagens aos quais se referem.

Se for desenhista:

Link para seu portfólio (podem ser algumas páginas de amostra). Posteriormente, caso esteja pré-selecionado, vamos pedir um teste com algum roteiro aprovado.

Se for uma dupla ou um artista que escreva e desenhe:

O roteiro completo, mais três páginas em preto e branco finalizadas, acompanhadas de um link de portfólio atualizado de seu trabalho como desenhista.

Prazos de entrega:

Na quebrada– Roteiros, portfólio e artes até o final de janeiro/2017. Só pra deixar claro: se você só desenha, envie portfólio até a data acima; se apenas escreve, o roteiro deve ser entregue até a data; e se faz ou fazem ambos, mandem roteiro, artes e portfólio até a data final.

Contrato e pagamento de direitos autorais: Autores e organizadores receberão 15 exemplares por história (ou 8 para cada participante da dupla) ou porcentagem de 15% do faturamento líquido das vendas dividida entre as 06 histórias (total de 2,5% do faturamento líquido) a serem acertados anualmente. Além disso, os autores têm sempre desconto de 40% para adquirir exemplares e revendê-los, caso queiram. Como todas as coletâneas da Editora Draco, não há cobrança nem obrigação de aquisição de exemplares aos autores.

Participe e faça parte da editora que é obcecada pelos talentos brasileiros e suas obras originais.

#DracoSpirit

Raphael Fernandes
Raphael Fernandes
é o editor de quadrinhos da Draco.

13 Comentários

  1. Tom disse:

    Quando sai o resultado?
    Gostaria de saber também, se receberam meu email, desde que enviei, não tive um email de confirmação, fico com medo de que não.
    Obrigado 🙂

  2. junior disse:

    porque lá na pagina não tem nada novo sobre o assunto e aqui também não
    estou quase acabando minha historia gostaria de saber se ainda tenho tempo

  3. junior disse:

    esta dizendo que é até o final de janeiro mas vcs ainda estão recebendo?

  4. Rafael Porto disse:

    Inicialmente, parabéns pela iniciativa.

    Tenho uma dúvida. Eu devo criar uma história completa em 20 páginas?

    Ou eu vou enviar o roteiro dessas 20 páginas, equivalente a uma edição da minha história completa, que será de 6 edições?

    Obrigado!

  5. Túlio Batista disse:

    O e-mail deve ter o assunto ‘DRACOMICS’ mesmo ?

  6. Márcio Medeiros disse:

    Tenho umas hqs minhas, neste estilo, qual o endereço de imael para avaliação, claro que mandarei apenas uma estoria.

  7. Túlio Batista disse:

    A história pode ser totalmente pé no chão? Sem nada de fantasia, uma história totalmente possível de acontecer?

  8. Gleison Mákalas Paulino disse:

    Quero participar além de já ter feito parte de um grupo de Rap daqui de Campinas em minha adolescência, ouço e vivo o “Hip-Hop” até hoje e tbm tenho amigos do movimento na ativa ainda. Agora como escritor de épicos, romances e ‘quadrinhos’ tbm, seria uma honra desenvolver uma história em cima do tema!
    Quero pelo menos tentar fazer parte disso!!!

  9. Rafael Nascimento disse:

    Desculpa, não sei quem escreveu o texto, mas só pra arrumar algumas informações erradas…
    O DJ que originou o movimento foi na realidade o DJ Kool Herc (e o DJ Hollywood), Grandmaster Flash e Bambaataa foram inspirados por ele. ‘Smart Rap’ não é um subgênero, nem sequer existe o mais próximo disso talvez seja o ‘Conscious Rap’ (o que de qualquer forma é um termo bem merda também). RAP é apenas a habilidade do MC, um elemento do Hip Hop e não um resultado de todas as manifestações da cultura, sem o DJ o MC rimaria Acapella.

    Para recomendar quadrinhos existe o ‘Rappin’ Max Robot’ que foi o primeiro quadrinho sobre Hip Hop, ‘Felt: True tales of underground hip hop’ do Jim Mahfood (artista que sempre coloca elementos de Hip Hop nos seus trampos), Tokyo Tribes, Sentences: The Life of MF Grimm, Gangsta Rap Posse.

    E aqui deixo meus elogios pela iniciativa, tenho certeza que essa coletânea vai ser foda demais, mandou bem Draco! 🙂

    • Erick Santos Cardoso disse:

      Rafael, agradecemos muito a sua resposta, super pertinente e bacana! Vamos melhorar com base nessas novas informações e ficamos sempre à disposição. Participe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *